Professores traçam diagnóstico da educação no estado na Comissão de Educação

Em audiência pública realizada hoje (10/3) pela Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, para traçar um diagnóstico da educação do estado, representantes dos sindicatos dos professores ressaltaram o alto número de profissionais que deixam o magistério todos os anos e a desvalorização da profissão. Segundo dados da União dos Professores Públicos no Estado (Uppes), no estado do Rio somente 44,5 % dos jovens concluem o ensino médio. Além disso, o Brasil ocupa a 88ª posição nos índices de desenvolvimento educacional no mundo.

“O que temos que fazer é continuar trabalhando na busca constante da escola pública de qualidade no estado e em todo o Brasil. Essa desconstrução da escola pública de qualidade vem acontecendo ao longo de vários governos, com a desvalorização dos profissionais e a falta de um projeto político pedagógico mais efetivo. Da audiência de hoje ficam dados e informações que reforçam a nossa luta. É muito importante a reflexão que é feita com os sindicatos”, afirmou o deputado Comte Bittencourt (PPS), presidente da Comissão de Educação.

Segundo a psicóloga Marcia Cardoso de Barros, da diretoria da Uppes, que apresentou um diagnóstico da educação no país, o salário do professor brasileiro é o 3º pior do mundo. “Só não é pior que os salários pagos aos professores do Peru e da Indonésia. Esses fatores nos fazem entender o aumento da evasão escolar por parte dos alunos e dos professores. O profissional da educação precisa ter condições físicas e psicológicas para executar com qualidade as tarefas pertinentes à profissão”, disse Marcia. Já a presidente da Uppes, Teresinha Machado da Silva, “é fundamental que o governo cumpra todas as dívidas que tem com a categoria. No ano de 2009, não tivemos o reajuste anual”.

O diretor do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio (Sepe), Tarcísio Motta, mostrou dados colhidos pelo sindicato e destacou a necessidade de realização de concursos públicos para a área educacional. “Hoje temos uma carência de mais de 21 mil professores, já que 16 mil profissionais estão trabalhando em jornada dupla e cinco mil vagas estão sem professores”, avaliou Motta. Ainda segundo ele, esse número, em 2008, era de 19.088.

Coordenadora do Sepe-RJ, Maria Beatriz Lugão defendeu uma política pública para valorizar o professor em todos os seus aspectos. “O que temos visto nos últimos anos é o que se pode chamar de ‘efeito cascata’. O poder público não valoriza a Educação, e o setor privado também não. Há uma opção clara do governo do estado em gastar com tecnologia e não investir no profissional. Parece que não se importam com o nosso trabalho cotidiano e, sim, com grandes obras. Precisamos mudar essa política”, reclamou.

Comte Bittencourt ressaltou a importância da participação dos sindicatos e de representantes da Seeduc nas audiências da comissão para a melhoria da educação. “Todos os grandes temas aqui hoje debatidos têm sido discutidos constantemente nas audiências, ouvindo-se os dois lados, o que tem ajudado na construção de um projeto pedagógico com mais qualidade”, completou o parlamentar. Estiveram presentes na audiência outros representantes dos sindicatos, deputados da Comissão de Educação, além do superintendente de Gestão de Pessoas da Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), Marcus Medina.

Posts recentes