Comte discursa sobre segurança e os assassinatos que ocorreram em Niterói

O SR. COMTE BITTENCOURT – Presidente, Deputado Roberto Henriques, Sras. e Srs. Deputados, trago aqui o registro, já que não pude fazê-lo ontem, porque estávamos na 1ª Sessão pós-eleições do 2º turno na cidade de Niterói e nossa intervenção ontem foi no sentido de parabenizar os dois colegas que disputaram aquelas eleições, dos dois lamentáveis crimes que aconteceram em Niterói na última quinta-feira. 
Não estou lamentando apenas porque assassinaram um ex-Desembargador, Dr. Gilberto Fernandes, aliás, o primeiro negro Desembargador do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, hoje desembargador aposentado, uma pessoa muito querida da cidade de Niterói; e também um Vereador eleito, pelo PRP, Lúcio Nevada – portanto, dois crimes envolvendo duas personalidades: uma do mundo do Judiciário e outra entrando no mundo político, no Parlamento da Cidade.
Estou lamentando o ocorrido, principalmente, para reforçar a tese de como a violência está banalizando a vida: mata-se por qualquer motivo. Em qualquer tipo de assalto, sendo um valor apropriado ou não, é comum as pessoas matarem outras. Portanto, não estamos registrando e lamentando o fato apenas por serem os dois envolvidos naqueles crimes personalidades da cidade. Queremos lamentar o crime contra qualquer pessoa, independentemente da sua origem social, do seu lugar de moradia.
Agora, o que queremos registrar mesmo, Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, é que, mais uma vez, fica identificada a falta de segurança por que passa a região metropolitana do entorno da Cidade do Rio de Janeiro. O Governador Sérgio Cabral fez uma opção única. Nesses seis anos de Governo, visando aos jogos que se avizinham, seguramente visando à Cidade do Rio de Janeiro, pela sua importância populacional e econômica, visando à mídia, na cidade que dá mais mídia que as cidades que compõem, junto com o Rio de Janeiro, a Região Metropolitana, fica clara a fragilidade das políticas públicas de segurança para as cidades do entorno da Capital. 
Fica clara a redução de efetivo dos batalhões, o que leva a uma relação ínfima policial-dia-população. A cidade de Niterói, assim como São Gonçalo, Itaboraí, Baixada Fluminense são cidades altamente despoliciadas, no horário noturno mais ainda, tornando-se lugares fáceis para práticas de crimes como esses.
Não adianta o Governador Cabral, agora que ocorreram esses dois crimes em Niterói, anunciar medidas de mandar uma tropa especial para a cidade, colocar homens com motocicletas nas ruas durante alguns dias e, passado o tempo, tudo volta como antes.
A grande verdade é que não existe uma política pública de segurança, neste Governo, para as demais cidades do Estado do Rio de Janeiro. Ponto!
O Secretário de Segurança pode apresentar a política para a cidade do Rio de Janeiro, mas qual a política deste Governo na área de Segurança para as demais cidades do Estado do Rio de Janeiro? Ela não existe, e nunca existiu. Pelo contrário, é a política do chamado ‘cobertor curto’: diminuem-se os efetivos, remanejam-se para a cidade do Rio de Janeiro, para as UPP – política importante, não há dúvida, uma iniciativa estratégica do Governo. Não estamos colocando dúvida, mas, e o restante do Estado?
Essa Secretaria de Segurança e esse Governo são para o Estado todo e para o conjunto dos municípios ou só para a cidade do Rio de Janeiro? A visão das preocupações das autoridades de Segurança não passa dos limites da cidade do Rio de Janeiro.
Registro, mais uma vez, o que temos feito com outros Deputados do interior e da Região Metropolitana ao longo desses seis anos de Governo: a completa ausência de uma política de Segurança Pública para os demais 91 municípios do Estado do Rio de Janeiro.
Quero que o Secretário Beltrame aponte e diga qual a política de Segurança deste Governo para os municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro, que estão no entorno da cidade que é a nossa capital.
Lamentamos essas duas perdas. Na política, eu diria, Deputado Dr. José Luiz Nanci, pela primeira vez um político é assassinado na cidade de Niterói. Isso nunca aconteceu na cidade de Niterói, nunca, nem na ex-capital. Nunca tivemos um político, com mandato ou sem mandato, assassinado naquela cidade.
Isso demonstra claramente a tranquilidade que sempre foi esse convívio da política com a cidade e, ao mesmo tempo, com a segurança do município.
Lamentavelmente, esse jovem eleito vereador pelo PRP perde a sua vida brutalmente, em mais um assassinato, como tantos outros que acontecem no dia a dia nas ruas da nossa região.
Fica nosso registro: não há política de segurança do Secretário Beltrame para os demais municípios do Rio de Janeiro. A política se limita à cidade do Rio de Janeiro.
Muito obrigado, Sr. Presidente.

Posts recentes