Em 08 de janeiro, 2007, por Hyury

Recebendo turistas em casa

O Fluminense

07 e 08/01/2007

Moradores de Niterói seguem o exemplo carioca e hospedam visitantes durante os Jogos Pan-Americanos.

De olho nos benefícios da realização dos jogos PanAmericanos no Rio, Niterói já se prepara para receber turistas e visitantes, entre 13 e 29 de julho.
Hospedagem não faltará. O município acabou de concluir o cadastramento das residências interessadas em servir de casa temporária para os turistas, através do “Hospedagem e Pan”, programa que segue os moldes do “Cama e Café” – implementado em Santa Teresa, no Rio – e vem sendo experimentado na cidade.
Setenta e três proprietários já integram a lista, número considerado bastante positivo pelas autoridades, que estavam preocupadas com uma possível escassez de leitos.

“A taxa de ocupação dos nossos hotéis está bastante elevada, tanto que fechamos o ano de 2006 com 80% dos nossos 1,6 mil leitos ocupados. Dai a importância do nosso programa de ‘Hospedagem e Pan”, comenta o vice-prefeito Comte Bittencourt.

Seleção – O presidente da Niterói Empresa de Lazer e Turismo (Neltur), José Mauro Haddad, informa que, com o pré-cadastramento encerrado, será feita a qualificação e a classificação dos imóveis.
Alguns, por não atenderem aos requisitos básicos, poderão ser cortados do programa. Em uma terceira fase, prevista para março, os imóveis selecionados serão disponibilizados às agências de turismo. Pelo programa, os proprietários devem oferecer hospedagem e café da manhã aos turistas, em troca de uma diária. Haddad mostra-se confiante no sucesso do “Hospedagem e Pan”.

“Se levarmos em conta que em Santa Teresa, 60 leitos estão cadastrados no programa, a adesão em Niterói é bastante interessante. Sem dúvidas, nosso projeto é uma boa alternativa para abrigarmos um turista com perfil diferente daquele que fica em hotéis”, afirma Haddad, prevendo que 30% dos turistas que ficarão no Rio, visitem Niterói durante o Pan.

Mordomias e lazer como num hotel

Uma das que se inscreveram no programa, a advogada Gisella Batista Maia, colocou o apartamento que divide com o marido, o servidor público Henrique Brasil, em Icaraí, à disposição de um casal de estrangeiros durante os jogos. Aos hóspedes, Gisella – que fala inglês e espanhol com fluência – disponibilizará um quarto com sofá-cama, aparelho de som e internet. As únicas restrições são animais de estimação (imposta pelo condomínio) e crianças, por causa da varanda do apartamento. ” Me interessei pelo Hospedagem e Pan quando vi um anúncio no Campo de São Bento. Além do dinheiro (aproximadamente R$ 100 a diária), será muito válido pelo intercâmbio e pela experiência”, avalia Gisella, que espera ser aprovada para garantir toda a comodidade aos visitantes.

“Além de banheiro exclusivo, eles poderão usufruir todas as dependências do condomínio, com sauna, salão de jogos, piscina, churrasqueira e quadra poliesportiva”, diz.
Gisella aposta na boa localização de seu imóvel para converser a Neltur de sua classificação. Localizado na rua Domingues de Sá, op apartamento fica próximo ao Campo de São Bento – principal área de lazer da zona Sul de Niterói-, à praia de Icaraí e ao Museu de Arte Contemporânea de Niterói (MAC).

“Além disso, o imóvel fica a poucos metros de Avenida Roberto Silveira, onde passam muitos ônibus para o Rio. Esperamos ser aprovados, será uma experiência muito interessante”.

Idéia que deu certo

Comum em países da Europa e nos Estados Unidos, O sistema bed and brenkfast (“Cama e Café”, em português) chegou ao Brasil idealizado pelos jovens Leonardo Rangel e João Vergara. Aproveitanqo a vocação tutística e o charme da arquitetura de Santa Teresa, região centra do Rio, eles lançaram o projeto que oférece aos turistas estadia em casa de família a custo acessível, com direito a café da manhã.

“Das mais de cem casas cadastradas, 45 casas (em torno de 60 eleitos) recebem os turistas constantemente. As residências são separadas em três categorias, de acordo com as condições dos imóveis. Já recebemos cerca de quatro mil hóspedes e o grau de satisfação dos turistas tem sido muito alto. A maioria revela que quer voltar, o que é importante”, comenta o diretor Leonardo Rangel.

Padrão- Para conquistar o visitante, a rede segue os padrões internacionais de atendimento. Os moradores cadastrados receberem orientação e treinamento para atender e lidar com os turistas. Para Rangel, a iniciativa veio para ficar no Brasil.

“Várias cidades já nos procuraram interessadas no programa, como Niterói e Ouro Preto. Mas no momento ainda estamos estudando estas parcerias, pois precisamos acertar alguns detalhes importantes para a garantia da qualidade (do programa). Em fevereiro, começaremos a imlplementar o “Cama e Café” em Olinda, Pelnambuco”.

Trajetória

@comte_educacao

Informativos em PDF

Fique por dentro do boletim informativo Comte, clique e veja.